Conheça todo o nosso trabalho social.

... Site ... Facebook ... Twitter ... Youtube ...

Nosso WhatsApp: 11 9 7291-4436

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Assembleia legislativa de SP aprova lei que isenta refugiados de taxas para revalidar diplomas.




Após mais de um ano de tramitação, a Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP) aprovou por unanimidade o Projeto de Lei 557/2016, que prevê que pessoas refugiadas deixem de arcar com o pagamento de taxas de revalidação de diplomas nas universidades estaduais paulistas. Legislação contempla certificados de graduação, mestrado e doutorado. Custos com processo de autenticação podem chegar a 20 mil reais. Decisão foi celebrada pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Refugiado sírio busca orientação sobre o andamento de seu pedido de revalidação do diploma em São Paulo, onde o ACNUR financia um projeto na organização Compassiva para diminuir os custos do processo. Foto: ACNUR/Gabo Morales


Após mais de um ano de tramitação, a Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP) aprovou por unanimidade o Projeto de Lei 557/2016, que prevê que pessoas refugiadas deixem de arcar com o pagamento de taxas de revalidação de diplomas nas universidades estaduais paulistas. Legislação contempla certificados de graduação, mestrado e doutorado. Custos com processo de autenticação podem chegar a 20 mil reais.

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) parabeniza a decisão, que facilitará o processo de integração de pessoas refugiadas no Brasil, possibilitando o acesso desse público a vagas de trabalho condizentes com suas respectivas formações.

O organismo internacional também acredita que a nova lei incentivará os refugiados a continuar os estudos, aprimorando seus saberes, compartilhando conhecimentos e contribuindo de forma ainda mais assertiva para o desenvolvimento do Brasil.

"Com a aprovação do Projeto de Lei 557/2016, logramos uma ampliação dos direitos das pessoas refugiadas no Brasil, na medida em que facilita o exercício de seu pleno desenvolvimento, possibilitando que seus conhecimentos sejam reconhecidos e consequentemente postos em prática. Esta é uma medida de extrema importância para que possamos incorporar os diversos saberes das pessoas refugiadas à sociedade brasileira, além de promover, ao mesmo tempo, sua autossuficiência", disse a chefe do escritório do ACNUR em São Paulo, Maria Beatriz Nogueira.

Os custos associados à revalidação de diplomas, como o requerimento e a tradução juramentada de documentos curriculares, podem chegar a 20 mil reais. Além de caro, o processo pode se estender ao longo de vários meses.

"Muitos refugiados que tiveram que deixar seus países de origem enfrentam a falta de moradia, a dificuldade com o novo idioma associada à adaptação a uma nova cultura e ainda se deparam com a barreira para a inserção no mercado de trabalho, provocada muitas vezes pelo não reconhecimento de seus diplomas em nosso país. Grande parte desses refugiados não possuem os valores cobrados para dar entrada nesses processos", explica o deputado Carlos Bezerra Jr., presidente da Comissão de Direitos Humanos da ALESP.

A isenção de taxas para refugiados que buscam o reconhecimento de certificados de estudos, diplomas e títulos universitários estrangeiros é fundamentada no artigo 22 da Convenção de 1951 relativa ao Estatuto dos Refugiados. A Convenção foi ratificada pelo Brasil em 1961. Já no âmbito federal, a Lei 9.474/1997 dispõe, em seu artigo 44, que o reconhecimento de certificados e diplomas de pessoas refugiadas no Brasil deverá ser facilitado, sobretudo ao se considerar a situação desfavorável vivida por essas pessoas.

O Projeto de Lei 557/2016 é considerado pelo ACNUR um exemplo de boa prática desde o início da proposta, pois contou com consulta e participação de atores da sociedade civil, garantindo legitimidade ao projeto. O texto agora seguirá para a sanção do governador Geraldo Alckmin. A maior parte dos mais de 10 mil refugiados vivendo no Brasil mora em São Paulo.


Imprensa ONU - http://www.onu.org.br/

Para poupar recursos e dinheiro é fundamental economizar e adotar novos hábitos.


De acordo com a Organização das Nações Unidas, cada pessoa necessita de 3,3 mil litros de água por mês (cerca de 110 litros de água por dia para atender às necessidades de consumo e higiene).

No entanto, no Brasil, o consumo por pessoa pode chegar a mais de 200 litros/dia.

Um pouco mais da metade da água é gasta no banheiro, em banhos, descargas ou outras utilizações.

Veja uma incrível apresentação no site da SABESP na página interna: http://site.sabesp.com.br/site/interna/Default.aspx?secaoId=595

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Pense em trabalhar habilidades, esqueça a profissão.


Pesquisa da Pearson traça o panorama do mercado de trabalho em 2030, lista habilidades necessárias e mostra como a educação é a saída para o uso intenso de tecnologia em todos os setores.


As previsões que apontam para a presença intensa de robôs e a automação no dia a dia estão longe de ser o fim dos tempos. A pesquisa "O futuro das habilidades: empregabilidade em 2030", realizada pelo grupo editorial Pearson em parceria com a fundação britânica de inovação Nesta e a Oxford Martin School, da Universidade de Oxford, imagina uma situação positiva para a convivência entre homens e máquinas.

Sim, o ritmo de mudanças será acelerado e a tecnologia terá um papel importante, mas o foco no desenvolvimento de habilidades e no aprender a aprender pode funcionar como proteção para o futuro. Só assim será possível atender à necessidade constante de atualização de conhecimentos causada pelo avanço da globalização, dos problemas ambientais, da desigualdade e incerteza política. Ou seja, o incerto tende a ser o novo normal.

Em conversa com o Porvir, Amar Kumar, vice-presidente responsável por liderar o time global de pesquisa da Pearson, disse que tentar imaginar os nomes das profissões do futuro é um "exercício bobo" e o melhor é se preparar, em vez de assumir um papel de vítima dos robôs. "Eu posso desenvolver uma habilidade e praticá-la, mas não posso me preparar para uma profissão que ainda nem sei como vai se chamar", disse. Segundo ele, isso pode ser percebido quando olhamos a situação de alguém que anos atrás já demonstrava visão de mercado e tinha uma boa comunicação e hoje lidera times de marketing em redes sociais. Naquela época você chamaria isso de profissão?

A metodologia da pesquisa partiu de uma análise de sete tendências globais com maior probabilidade de impacto sobre o futuro do trabalho: mudança tecnológica, globalização, mudança demográfica, sustentabilidade ambiental, urbanização, desigualdade crescente e incerteza política. A discussão com especialistas nestas áreas alimentou um algoritmo de machine learning (sistema autodidata) que aprendeu a prever quais empregos e habilidades teriam aumento ou queda na demanda até 2030.

Setores como educação e assistência médica devem ganhar mais eficiência sem sofrer diminuição de força de trabalho. Outros, que reúnem características essencialmente humanas, como o criativo, de desenvolvimento e engenharia, também têm boas perspectivas. Porém, no transporte e na fabricação tradicional o risco é maior.

Segundo o especialista da Pearson, a necessidade de classificar e navegar por informações em um cenário que pessoas não conseguem separar fatos mentirosos dos verdadeiros resgata a importância do bibliotecário, profissional que sempre reuniu tais habilidades.

Na entrevista, Kumar descreve a metodologia da pesquisa, os impactos sobre a educação e as mudanças necessárias no mercado de trabalho. A pesquisa completa está disponível, em inglês, para consulta e download no site http://futureskills.pearson.com.


Link para a entrevista em português


Por: Vinícius de Oliveira_PORVIR.ORG

sábado, 9 de dezembro de 2017

Enquanto a criança da periferia não for prioridade, desigualdade vai continuar existindo.


Crianças da periferia de SP sofrem com desigualdade nas políticas públicas. Foto: Marcelo Camargo/ABr


A capital paulista tem cerca de um milhão de jovens de 0 a 6 anos, e metade deles vive em áreas precárias. Se não avançarmos em reduzir as desigualdades do ponto de vista das políticas públicas para a primeira infância, fica muito difícil reverter esse quadro no futuro.


.
Américo Sampaio da Rede Nossa São Paulo é entrevistado por Patrícia Sidral da CBN.

.
.



segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Observatório e Mapa da Desigualdade da Primeira Infância serão lançados na próxima terça-feira.



Plataforma e indicadores que retratam situação das crianças paulistanas serão divulgados pela Rede Nossa São Paulo e Fundação Bernard van Leer em evento público.



A cidade de São Paulo, os gestores públicos e a sociedade civil, em especial as pessoas e organizações que atuam na área da infância ou se preocupam com o tema, vão ganhar dois novos importantes instrumentos de informação, análise e planejamento.

Na próxima terça-feira (5/12), a Rede Nossa São Paulo e a Fundação Bernard van Leer lançarão o Observatório da Primeira Infância e o Mapa da Desigualdade da Primeira Infância, que retratam a situação das crianças paulistanas de zero a seis anos.

A divulgação da nova plataforma digital e dos indicadores será realizada em um evento público no auditório do Sesc 24 de Maio, no centro da capital paulista.

Com 130 indicadores, o Observatório da Primeira Infância (OPI) permitirá ao internauta selecionar e comparar até cinco itens que possuam dados por distrito. Por meio dessa interatividade, o interessado poderá saber a situação dos indicadores por ele selecionados em cada um dos 96 distritos da cidade de São Paulo.

Uma das novidades do OPI é o Banco de Boas Práticas, onde estarão disponíveis experiências exitosas nacionais e internacionais na área da infância. Além de acessar as boas práticas – por Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS), eixo do Programa Cidades Sustentáveis ou pelo Urban95 –, o internauta poderá encaminhar sugestões de programas e políticas públicas exitosas para serem incluídas na plataforma.

Alguns indicadores visam chamar a atenção das autoridades e da própria sociedade para a situação das "Crianças Invisíveis". Ou seja, para as crianças que têm seus direitos básicos violados cotidianamente e não são contemplados por políticas públicas.

Outro ponto de destaque do Observatório será o espaço virtual "Olhar das Crianças", onde serão disponibilizadas fotos feitas pelos pequenos e pequenas. 

O Mapa da Desigualdade da Primeira Infância, por sua vez, visa mostrar as diferenças existentes dentro de uma mesma cidade – no caso, São Paulo – em relação à situação das crianças.

Utilizando a mesma metodologia do Mapa da Desigualdade da Cidade de São Paulo, o estudo inédito revelará o "desigualtômetro" – a distância entre o melhor e o pior distrito – em cada um dos 28 indicadores vinculados à primeira infância.

Observatório poderá ser replicado em outras cidades

Para que municípios interessados possam elaborar seus próprios Observatórios da Primeira Infância, a Rede Nossa São Paulo e a Fundação Bernard van Leer divulgarão, no mesmo evento, dois guias destinados a facilitar a construção de plataformas semelhantes.

O Observatório da Primeira Infância em 5 Passos – Guia de Multiplicação explicará como implantar a plataforma, considerando os indicadores, o conteúdo, o banco de boas práticas, entre outros pontos.

Já o Observatório da Primeira Infância – Guia Técnico orientará a instalação da plataforma, incluindo como configurar e cuidar da funcionalidade do sistema.

Serviço:
Evento: Lançamento do Observatório e do Mapa da Desigualdade da Primeira Infância
Data: próxima terça-feira, dia 5 de dezembro de 2017
Horário: das 9h30 às 12h30
Local: Sesc 24 de Maio
Endereço: Rua 24 de Maio, 109 – perto da Estação República do Metrô

Confirme aqui sua presença no evento.


Evento no Facebook.



Enviado por Airton Goes, da NossaSP



Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida.

Em oposição à política econômica da ditadura civil-militar, o movimento, que atuou de 1973 a 1982, promoveu as primeiras grandes manifestações populares do Brasil depois de 1968 (detalhe da capa do livro Como pode um povo vivo viver nesta carestia)


Criado em 1973, a partir dos Clubes de Mães e das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) da Igreja Católica na periferia sul de São Paulo, o Movimento do Custo de Vida (MCV) incorporou outras forças políticas; cresceu em número e articulação; e, em 1978, colocou nas ruas mais de 20 mil pessoas, em um ato público realizado na Praça da Sé, em plena ditadura civil-militar.

Contornando as barreiras policiais, que procuraram impedir o acesso dos manifestantes ao local, e contrariando a ordem de que o ato fosse realizado apenas no interior da catedral, a manifestação transbordou pelas escadarias.

No mesmo evento, foi apresentado um abaixo-assinado de âmbito nacional, com 1,3 milhão de assinaturas, a ser entregue à Presidência da República, reivindicando o congelamento dos preços dos gêneros de primeira necessidade; o aumento dos salários acima do aumento do custo de vida; e um abono salarial de emergência imediato e sem desconto para todas as categorias de trabalhadores.

A história do MCV, praticamente desconhecida pelas novas gerações, é o objeto do livro Como pode um povo vivo viver nesta carestia: o Movimento do Custo de Vida em São Paulo (1973-1982), de Thiago Nunes Monteiro. Resultado de trabalho de mestrado feito na Universidade de São Paulo, com orientação da professora Maria Aparecida de Aquino, o livro foi publicado com apoio da FAPESP.

"Monteiro pesquisou nos principais arquivos do Estado de São Paulo. Ele consultou material produzido pelo próprio MCV e sobre o movimento, como discursos na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) e no Congresso Nacional, artigos de imprensa da época e documentos do Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo (Deops-SP). Com base nessa documentação extensa, fez um trabalho de mestrado com nível de doutorado. Por isso, sem que fosse apresentada qualquer solicitação nesse sentido, sua dissertação foi selecionada, pelos pareceristas da USP, para publicação em livro", disse Aquino à Agência FAPESP.

Conforme explicou a orientadora, o MCV foi a resposta a um processo inflacionário, que corroía o poder aquisitivo das camadas populares, sem que houvesse a contrapartida de elevações salariais. Com uma linguagem acessível às pessoas menos instruídas, os folhetos produzidos pelo movimento recorriam a imagens marcantes como a de que os salários subiam pela escada, enquanto o custo de vida disparava pelo elevador.

O livro cobre uma década de atividade do MCV e acompanha seu nascimento, ascensão, apogeu, declínio e fim. "Adotei como balizas temporais os anos 1973 e 1982. Em 1973, o MCV foi criado, com base nos Clubes de Mães, já atuantes na periferia de São Paulo. Em 1982, o movimento já havia esgotado sua capacidade de mobilização em São Paulo, e a última manifestação agendada acabou não ocorrendo, por falta de público", disse Monteiro.

Segundo o autor, a maior força no início do movimento – e a própria condição para que ele ocorresse – foi a Igreja Católica, liderada pelo cardeal dom Paulo Evaristo Arns, arcebispo de São Paulo.

"Por meio dos Clubes de Mães e das CEBs, a Igreja mobilizou grande número de participantes, residentes nos bairros populares da periferia. Além disso, foi a Igreja que proporcionou a infraestrutura material necessária, como espaços para reuniões ou mimeógrafos para a produção de folhetos. Mas, desde o começo, houve também a participação de pessoas ligadas à luta sindical e à oposição ao regime ditatorial, incluindo agrupamentos de esquerda, especialmente militantes do Partido Comunista do Brasil (PC do B)", disse.

À medida que o MCV cresceu, criou-se uma coordenação central; outros militantes de esquerda, que não moravam anteriormente nos bairros onde o movimento atuava, se incorporaram a ele; e chegou-se ao auge com o abaixo-assinado de 1,3 milhão de assinaturas. A partir de 1978, a capacidade de mobilização foi, gradualmente, reduzida.

As causas do declínio foram objeto de outros estudos, que enfatizaram a influência prejudicial das disputas por hegemonia entre as várias forças políticas. Monteiro reconhece que essas disputas contribuíram para a desmobilização, mas considera que esta não pode ser atribuída a uma única causa.

"Movimentos populares com objetivos limitados, como a construção de creches ou o asfaltamento de ruas, são capazes de proporcionar pequenas vitórias concretas, que retroalimentam a mobilização. O MCV, porém, tinha um objetivo de escala nacional, que só poderia ser alcançado com a revisão de toda a política econômica do regime. A incapacidade de obter uma vitória desse porte pode ser apontada como uma das causas para o seu progressivo esvaziamento. Além disso, surgiram outras pautas e espaços de atuação, que atraíram parte dos militantes", disse Monteiro.

Para Aquino, é preciso contextualizar o declínio do MCV. "O fim da década de 1970 foi caracterizado pelo eclipse do regime ditatorial. Houve crise econômica, a emergência de um novo sindicalismo com as greves do ABC paulista em 1978, mobilizações dos estudantes e de outros setores da população por liberdades democráticas. Tudo isso sinalizou que não havia mais condições de sobrevivência para a ditadura no longo prazo. O MCV foi a resposta possível em um contexto anterior. Mas o novo contexto gerou outras oportunidades de enfrentamento do regime ditatorial", disse.

Perguntado sobre as lideranças que se destacaram no movimento, Monteiro citou três: Aurélio Peres, operário metalúrgico, e Irma Passoni, freira que abandonou a vida religiosa para se engajar nas lutas da periferia sul; em 1978, os dois foram eleitos, respectivamente, como deputados federal e estadual.

"Além deles, Ana Dias teve um papel muito importante no MCV desde o início, embora seja mais lembrada como a companheira do operário metalúrgico Santo Dias da Silva, que também atuou no MCV e foi assassinado por um soldado da Polícia Militar, durante repressão à greve dos metalúrgicos de São Paulo", disse.

Em 31 de outubro de 1979, 30 mil pessoas saíram às ruas do centro de São Paulo para acompanhar o cortejo fúnebre e protestar contra o assassinato de Santo Dias. O policial responsável por sua morte, condenado em primeira instância, foi unanimemente absolvido pelo Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo.

Há 38 anos, familiares e companheiros de militância de Santo se dirigem, todos os anos, ao local onde Santo foi morto e escrevem, com tinta vermelha, a frase "Aqui foi assassinado o operário Santo Dias da Silva, no dia 30-10-1979, pela Polícia Militar".

Como pode um povo vivo viver nesta carestia: o Movimento do Custo de Vida em São Paulo (1973-1982)
Autor: Thiago Nunes Monteiro
Editora: Humanitas
Ano: 2017
Páginas: 274
Preço: R$ 42
Mais informações: https://editorahumanitas.commercesuite.com.br/lancamentos/como-pode-um-povo-vivo-viver-nesta-carestia.


Por: José Tadeu Arantes  /  Agência FAPESP


terça-feira, 19 de setembro de 2017

Dia do Educador Social (Para todo mundo saber).

Educador Paulo Freire - Arquivo


Câmara aprova criação do Dia do Educador Social.

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou, em caráter conclusivo, proposta que cria o Dia do Educador Social, a ser comemorado em 19 de setembro, data do nascimento de Paulo Freire. O texto aprovado segue para análise do Senado.

Relator na Comissão, o deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA) defendeu a aprovação da nova data, prevista no Projeto de Lei 2989/08, do ex-deputado Chico Lopes.

"A proposição respeita os dispositivos constitucionais de cunho material, estando em inteira conformidade com o ordenamento jurídico em vigor no País, bem como com os princípios gerais de Direito", observou o relator.

Nascido em Recife, Freire morreu em 1997, aos 76 anos. O educador e filósofo influenciou o movimento chamado pedagogia crítica. Sua prática didática fundamentava-se na crença de que o estudante assimilaria o objeto de análise fazendo ele próprio o caminho, e não seguindo um já previamente construído.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:
PL-2989/2008


sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Consulta Pública - Conselho das Cidades

Os Conselhos de Políticas Públicas são espaços formais vinculados ao poder executivo e tem por finalidade permitir a participação da sociedade  na formulação, acompanhamento e monitoramento de políticas públicas.
Atualmente o Conselho das Cidades – ConCidades é um órgão colegiado, constituído por representantes do poder público e da sociedade civil. O ConCidades tem por finalidade formular, estudar e propor diretrizes para o desenvolvimento urbano e metropolitano, incluindo a integração das políticas de planejamento, ordenamento territorial e gestão do solo urbano, de habitação, saneamento ambiental, mobilidade urbana, em consonância com a Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001 (Estatuto da Cidade).

O ConCidades promove o debate em torno da política urbana de forma continuada entre os segmentos que o compõem, tais como: setor empresarial; movimentos sociais; organizações não governamentais (ONGs); entidades profissionais, acadêmicas e de pesquisa; entidades sindicais; e órgãos governamentais. Ele se apresenta, portanto, como espaço de diálogo e entendimento entre diferentes atores sociais que participam dos processos de tomada de decisão em torno das políticas executadas pelo Ministério das Cidades.

De forma permanente, o ConCidades acompanha e avalia a execução da política urbana nacional, e propõe diretrizes para as políticas de saneamento ambiental, de habitação, de parcelamento da terra, de trânsito e mobilidade urbana. Sua atuação visa fortalecer a pauta federativa, apoiando o planejamento de desenvolvimento institucional e modernização das estruturas administrativas. Mais informações sobre o Conselho das Cidades podem ser obtidas em http://www.cidades.gov.br/conselho-das-cidades.

Após treze anos da sua criação, considerando as contribuições do ConCidades na construção das políticas urbanas do país, o Ministério das Cidades entende ser necessário o aperfeiçoamento de suas atribuições, estrutura e funcionamento, de forma a torná-lo mais efetivo, transparente e com capacidade de ampliar a participação das partes interessadas.
Esta Consulta Pública busca colher sugestões da sociedade para que o colegiado consolide seu papel relevante no processo de desenvolvimento urbano do país.

Dúvidas? Mais informações? Entre em contato conosco:
E-mail: conselho@cidades.gov.br   -  Telefone: 61 – 2108-1693

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Por que é importante participar desse debate?




Audiência pública debaterá a participação social na cidade de São Paulo

Evento ocorrerá nesta sexta, dia 1/9, às 18h30, no auditório externo da Câmara Municipal. Entre os principais temas a serem discutidos estão as recentes medidas da Prefeitura em relação aos conselhos.

Qual o valor da participação da sociedade civil nos processos de decisão sobre a cidade e no acompanhamento das políticas e do orçamento municipal?
 
Essa questão será debatida em audiência pública sobre a participação social na cidade de São Paulo, a ser realizada no próximo dia 1 de setembro (sexta-feira), às 18h30, no auditório externo da Câmara Municipal. A iniciativa é da Comissão de Política Urbana do legislativo paulistano. 

O evento abordará o sistema de participação na capital paulista e o papel dos conselhos municipais, principalmente tendo vista as recentes medidas da atual gestão da Prefeitura, que extinguiu Conselho Municipal de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP), reduziu em mais de 50% o número de conselheiros participativos municipais e alterou a forma de escolha dos integrantes do Conselho do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas de São Paulo (PMLLLB/SP).

Por que é importante participar desse debate?

No mês passado (agosto), o prefeito de São Paulo, João Doria, iniciou um processo de desmonte da participação social nos conselhos da cidade, começando pelo Conselho do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas de São Paulo (PMLLLB/SP), seguindo com o Conselho Municipal de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) e desembocando no Conselho Participativo Municipal (em suas 32 prefeituras regionais).

As medidas da atual gestão municipal nesses três conselhos representam retrocessos no envolvimento da população com a definição e o acompanhamento das políticas públicas. Com elas, os paulistanos perdem importantes espaços de participação no planejamento e execução de ações na cidade.

As iniciativas da Prefeitura vão na contramão daquilo que o próprio Programa de Governo do então candidato a prefeito preconizava, "buscar ativamente a participação da sociedade civil nos assuntos municipais".

Tais ações também contrariam o Relatório de Desenvolvimento Global (WDR, na sigla em inglês), do Banco Mundial. Lançado no início desse ano, o relatório revela que "o nível de participação popular nos processos de formulação e implementação [de políticas públicas] determina o maior ou menor grau de êxito [das ações dos governos]".

Some-se ainda o fato de que a Prefeitura precisará cumprir os cinco compromissos da iniciativa internacional multilateral Open Government Partnership (OGP) ainda neste ano. Um desses compromissos determina que a Prefeitura deve "aumentar o poder de intervenção dos Conselhos Participativos Municipais em suas respectivas Prefeituras Regionais".
 
Queremos participar nas decisões sobre os rumos da nossa cidade!

Compareça, divulgue e compartilhe!

Clique aqui e participe do evento no facebook



quinta-feira, 24 de agosto de 2017

MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - São Paulo elege representantes da sociedade civil para integrar o PDUI-RMSP

As assembleias serão realizadas nas sub-regiões norte, leste, sudeste, sudoeste e oeste e São Paulo; a assembleia geral será em 28/08


Município realiza assembleia pública no dia 25/08 às 19h30 na Capital para escolha das entidades que vão participar das instâncias do PDUI; inscrições no local


O município de São Paulo realiza na próxima sexta-feira, 25/08, às 19h30, assembleia pública para eleger os representantes da sociedade civil organizada que vão participar da elaboração do Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado (PDUI-RMSP).

O evento será realizado na rua Líbero Badaró, 504, 26° andar (Ed. Martinelli), no Centro da Capital.

Organizadas pela Secretaria Executiva do Conselho de Desenvolvimento da RMSP, em conjunto com as coordenações sub-regionais e o município de São Paulo, assembleias públicas vão acontecer nos dias 25 e 26/08 nas cinco sub-regiões da RM, mais o município de São Paulo, para eleger 30 representantes da sociedade civil, 12 dos quais integrarão o Comitê Executivo (CE) e 18 a Comissão Técnica (CT).

Podem se candidatar entidades representativas de movimentos populares, de trabalhadores e empresários, de profissionais liberais, instituições acadêmicas e de pesquisa e conselhos profissionais, além de organizações não governamentais.

Cada entidade deverá inscrever seu candidato no dia da assembleia, em formulário próprio distribuído no local, conforme o Regulamento disponível em www.pdui.sp.gov.br/rmsp.

Assembleia geral

Após as assembleias públicas, ocorrerá no dia 28/08 em São Paulo uma assembleia geral com todos os eleitos, para definição da composição por instância ─ conforme deliberado pelo Comitê Executivo, atendendo às exigências do Estatuto da Metrópole.

O objetivo do PDUI é traçar as diretrizes que vão orientar o desenvolvimento urbano e regional. De acordo com o Estatuto da Metrópole, os Planos devem ser realizados por regiões metropolitanas e aglomerações urbanas em três anos, a partir de 2015, quando a Lei Federal nº 13.089 foi promulgada.

Instâncias do PDUI
A composição do CE e da CT passa a ser tripartite ─ Estado, municípios e sociedade civil ─, cada qual representando, igualmente, um terço nas votações que se fizerem necessárias. O Comitê Executivo tem caráter deliberativo e seu propósito é promover a articulação e a coordenação entre as partes do processo de elaboração do PDUI-RMSP até sua aprovação.

Já a Comissão Técnica tem por função promover as atividades do PDUI, acompanhar seu desenvolvimento em consonância com o Estatuto da Metrópole, bem como pautar e organizar os documentos que serão objeto de aprovação pelo Comitê Executivo.


SERVIÇO

Município de São Paulo
- 25/08/2017, 19h30
- Rua Líbero Badaró, 504, 26º andar, Centro (Edf. Martinelli)

 Assembleia geral: 28/08/17, 14h00, Rua Boa Vista, 170 − Auditório B/Mezanino, SP-Capital

OUTRAS INFORMAÇÕES
Assessoria de Comunicação da Emplasa
11 3293 5318
margarethcunha@sp.gov.br
www.emplasa.sp.gov.br

Evento será realizado entre os dias 24 e 27 de agosto, com centenas de atrações gratuitas na capital paulista.


A 7ª edição da Virada Sustentável em São Paulo, que será realizada de 24 a 27 de agosto, vai ocupar pontos importantes da cidade como o Parque Ibirapuera, o Unibes Cultural, diversos espaços na região da avenida Paulista como os parques Mario Covas e Trianon, unidades do SESC-SP e dezenas de outros locais da capital. O evento, que vem reunindo cerca de um milhão de pessoas a cada edição, vai promover uma programação com shows, exposições, palestras, aulas de meditação e atividades especiais, e terá como destaques os shows de Marcelo Jeneci com Tulipa Ruiz, em uma apresentação conjunta, inesquecível, e Arnaldo Antunes, todos no Parque Ibirapuera.

A sétima edição da Virada Sustentável apresenta mais de 500 atividades que propõem uma visão ampla, positiva e inspiradora da sustentabilidade em temas como biodiversidade, cidadania, mobilidade urbana, água, direito à cidade, mudanças climáticas, consumo consciente e economia verde, entre outros.

Esta edição paulistana é mais uma vez alinhada aos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), uma agenda de desenvolvimento apresentada de modo a definir novos caminhos, que tragam melhorias na vida das pessoas e do planeta, em todos os lugares. Essa agenda tem como objetivo determinar o curso global de ações da sociedade, indivíduos e governos, para acabar com a pobreza, promover a prosperidade e o bem-estar geral, proteger o meio ambiente e enfrentar as mudanças climáticas, até 2030.

Confira a programação completa e detalhada: www.viradasustentavel.org.br (ainda sendo atualizado)

Parque Ibirapuera
Este ano, o Parque Ibirapuera ganha destaque com uma programação especial para toda família, podendo aproveitar as oficinas e brincadeiras e jogos infantis em estações dedicadas especialmente a estes temas, além de aproveitar a área de piquenique e as diversas atividades espalhadas pelo parque, que vai contar até com ponto de coleta de lixo eletrônico e a feira de trocas Trocaí, que vai permitir ao visitante trocar até 7 itens, entre roupas, acessórios (chapéu, bolsa, cinto), calçados, livros e brinquedos.

Outro destaque fica por conta do circuito de instalações. Localizado no corredor cultural do parque, junto à pista de cooper, o circuito apresenta trabalhos de 17 renomados artistas brasileiros e estrangeiros, tendo como tema os 17 ODS da ONU. As obras, que ficarão no parque até dia 24 de setembro, reúnem nomes como Kadu Pifo, Paula Plim, Rimon, Fefe Talavera, Mag Magrela, Ananda Nahu, Vitche, Magoo Felix, Mzk, Danilo Oliveira, Daniel Melim, Tec, Carlos Dias, Jaime Prades, João Lelo, Atsuo e Shn.

O Ibirapuera abriga também o palco principal da Virada Sustentável, que no sábado (26) recebe os shows da banda Reggae Litlle Lions e do bloco Bangalafumenga, além de Marcelo Jeneci & Tulipa Ruiz, em uma apresentação conjunta, inesquecível do show "Dia a Dia, Lado a Lado". Já no domingo, a Banda Mirim e Bloquinho da Alegria esquentam o palco para o show de encerramento da Virada Sustentável, que ficará por conta de Arnaldo Antunes com "A Casa é Sua" - um show intimista, acompanhado por dois músicos, Chico Salem (violão e guitarra) e André Lima (teclados, violão e sanfona). O repertório passeia por músicas de toda sua carreira e inclui algumas canções de seus trabalhos mais recentes, explorando com liberdade uma nova sonoridade e revelando as canções de outro modo, evidenciando mais as letras.

Tendas Zen e Multicultural
Um dos espaços de programação Zen da Virada pode ser encontrado na Tenda Zen, instalada no Ibirapuera, com meditação e atividades como Experiência de Paisagismo Interno, Dança dos Elementos, Energização Coletiva e Aula de Evolução Plena, que mescla diferentes técnicas de autoconhecimento, no sábado e no domingo. Já a Tenda Multicultural oferece atrações muito especiais, como a aula de Yoga Para Crianças, no sábado, e a Vivência de Shantala, no domingo.

Mostra Ecofalante no Auditório do Ibirapuera
No sábado (26), o Auditório do Ibirapuera abre suas portas para a Mostra Ecofalante na Virada Sustentável, com a exibição dos filmes "Não Respire – Contém Amianto" (Brasil, 2017, 70 min), de André Campos, Carlos Juliano Barros e Caue Angeli, premiado na Competição Latina da 6ª Mostra Ecofalante 2017, por voto do público e "Frágil Equilíbrio" (Espanha, 2016, 81 min), de Guillermo García López, vencedor do Prêmio Goya 2017 para melhor documentário espanhol. A exibição será seguida por uma roda de bate-papo com a participação do professor, arquiteto e urbanista Nabil Bonduki, o jornalista Denis Russo Burgieman e Denise Chaer, idealizadora e diretora geral da plataforma Novos Urbanos, com mediação do jornalista André Palhano, idealizador da Virada.

A Mostra Ecofalante na Virada Sustentável também tem programação na UMAPAZ – Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz, localizada dentro do Parque Ibirapuera. Na sexta-feira (25), a UMAPAZ promove o V Seminário Educação Ambiental semeando a Cidade Educadora, que oferecerá um espaço de questionamento e troca sobre a Agenda 2030 no contexto da cidade. A UMAPAZ recebe ainda atividades de mindfulness e uma série de oficinas sensoriais práticas e artísticas de empreendedores e estudiosos da Fluxonomia 4D, criada pela futurista Lala Deheinzelin.

Outro destaque na programação da Virada na UMAPAZ é a Aventura Ambiental, uma maneira diferente de sensibilizar grupos para os desafios socioambientais do nosso cotidiano, com um percurso pelo parque no qual a história do Brasil é abordada por meio das árvores e das relações entre a fauna, a flora e a sociedade. Dentro da Virada será possível fazer ainda um Banho de Parque,atividade baseada em uma técnica japonesa e que alia conceitos da Ecologia Profunda - como a ideia de que o meio ambiente está dentro de nós e tudo que fizermos a ele nos afeta direta ou indiretamente.

Abertura oficial no Unibes Cultural
Na quinta-feira (24), a partir das 9h30, a abertura da 7ª edição da Virada Sustentável será marcada pelo Painel de Debates sobre os Desafios para o Desenvolvimento Sustentável com representantes do PNUD-Brasil, setor público, setor privado e academia, seguido de uma palestra de Gustavo Tanaka e um painel de Igualdade de Gênero.

Na sexta-feira (25), um dos destaques da programação na Unibes fica por conta da meditação no escuro, com os Trovadores Urbanos e participação especial de Monja Coen, precedido do show do Boleirinho.

Já no sábado (26), a Mostra Ecofalante na Virada Sustentável ocupa o Auditório do Unibes e apresenta mais um recorte de sua programação, desta vez com "Caminho dos Gigantes" (Brasil, 2016, 12') de Alois Di Leo,"Doce Mentira" (Canadá, 2015, 91'), de Michèle Hozer e "Cheirando Mal" (EUA, 2015, 91'), de Jon J. Whelan. Haverá ainda uma série de palestras e atividades em torno do Fashion Revolution Day, como aRoda de conversa: Igualdade, Trabalho, Mulher e Moda.

ContAí
Na quinta e na sexta-feira (24 e 25), o Auditório do Unibes será palco de mais uma edição do Contaí, uma série de rodas de conversa com personalidades que se propõem a discutir a cidade e iniciativas disruptivas que ajudam a torná-la melhor. Na quinta, a partir das 19h, o auditório recebe ainda a entrega do Prêmio Desafio 2030 e do Prêmio Abraps / Virada Sustentável. Na noite de sexta, é a vez da palestra "A Permacultura Aplicada no Planejamento Urbano", seguida do Cidades Sustentáveis, com apresentação de experiências de Sustainable Living na Holanda e Alemanha.

Empreendedorismo social e Jazz ao Pôr do Sol
Promovido pelo Civi-Co, Virada Sustentável e Movimento 90°, no dia 26 de agosto, o Vire Sua Cidade vai realizar um grande encontro entre empreendedores civico-sociais de São Paulo e pessoas interessadas no tema para inspirar e reforçar as conexões entre esses agentes de transformação na cidade. Na programação, apresentações, palestras, exibição de filme e o já tradicional Jazz ao Pôr do Sol, liderado pelo DJ Tahira, que traz um clima de jam session à Virada.,

Unidades SESC-SP
Um importante foco de atrações nesta edição, a rede SESC-SP vai oferecer atividades especiais dentro da programação da Virada Sustentável. Entre os dias 24 e 27 de agosto, as unidades de Itaquera, Interlagos, Pinheiros, Vila Mariana e 24 de maio integrarão suas programações à Virada, com vivências ambientais, bicicletadas, passeios guiados e de observação pela natureza, caças a tesouros e oficinas. No SESC Pinheiros, a exposição RIOS DES.COBERTOS abre suas portas ao público, enquanto o recém-inaugurado SESC 24 de maio oferece observatório da paisagem deslumbrante do centro da cidade, entre outras atrações.

Ocupação Literária
Com realização do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura e patrocínio da Kimberly Clark, a Ocupação Literária levará uma série de atrações vai ocupar pontos importantes da cidade, como o Parque Ibirapuera, Parque Trianon, Parque Mário Covas, Avenida Paulista e praças nos bairros de São Miguel Paulista e Vila Leopoldina. Serão 20 intervenções urbanas que promovem a leitura através de atividades como salas de leitura em espaços públicos ou de livre acesso, troca de livros e saraus com participação de jovens autores brasileiros.

Programação Zen nos parque parques Mario Covas e Trianon
No domingo (27), o Parque Mário Covas recebe uma programação zen especial, como uma aula de O-DGI Open, uma prática marcial realizada por meio de posturas de empoderamento, movimentos e músicas pré-selecionadas. Outro destaque fica por conta da apresentação de Yoga e música clássica indiana com Bruna Dias e Fábio Kidesh, além do show da cantora e compositora Nicole Salmi e da DJ Lara Luzuah, criadora do Festival Ilumina na Chapada dos Veadeiros. Ainda na programação, no Dhyana Jazz os músicos se colocam numa posição de meditadores - através da improvisação, os artistas se conectam aos ouvintes para formar uma só corrente de não-pensamento, onde o som flui e trás a integração de todos que estão no ambiente. O movimento Awaken Love de despertar da consciência também estará presente com Roda de Mantras e a atividade 1 Minuto de Silêncio.

Também no domingo, o Parque Trianon oferece diversas atividades dentro da Virada, como caminhada fotográfica, prática de tai chi e shows das bandas Teko Porã e Mandalá - esta última formada por músicos jovens como Carla Casarim (voz), Cadu Ribeiro (pandeiro e voz), Samuel Silva (violão de 7 cordas e voz), Gregory Andreas (cavaquinho e voz), Dudu Contreras (surdo), Allan Abadia (trombone) e Pedro Pita (percussão), que vão apresentar o melhor do samba e da música brasileira.

Festa Wake acorda os paulistanos
A primeira atração da Virada Sustentável neste ano será uma festa que deve começar a partir das 7h15 da manhã, na quinta-feira (24), no festival VireSuaEmpresa, que ocorre no espaço Brain da rua Groenlândia. A Festa Wake reinventa a lógica urbana e traz DJs, performances, yoga e gastronomia saudável para quem quer acordar cedo. Na quinta e na sexta-feira, o espaço ainda oferece degustação de Massagem com Terapeutas Deficientes Visuais, palestras, atividade como Workmeditation Experience, com mindfulness e dicas de neurociência aplicada ao trabalho e outras atividades. No fim de semana a programação muda para o espaço Brain de Pinheiros.

Programação Infantil
De quinta a domingo, além dos shows e atividades para crianças no Parque Ibirapuera, uma extensa programação infantil poderá ser encontrada também na Biblioteca São Paulo e na Biblioteca Villa Lobos, com contação de histórias, clube de leitura, oficinas, exibição de filmes, rodas de bate papo e até um luau. Já o Colégio Miguel de Cervantes abre suas portas para uma série de oficinas e apresentações, na manhã de sábado (26).

Recuperação de praça e rua na Vila Leopoldina
Entre os dias 24 e 27 de agosto, o bairro da Vila Leopoldina, localizado na zona Oeste de São Paulo, vai receber o Circuito Integrado Pela Sustentabilidade, com uma série de ações que envolvem escolas e moradores da região como cinema ao ar livre, mutirão para recuperação de praças e ruas, oficinas, palestras e coleta de resíduos têxteis, entre outras atividades.

Economia Circular
Neste ano, a Virada Sustentável leva conteúdo a importantes instituições de ensino. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) vai sediar o 2º Seminário de Economia Circular, oferecido pela Novelis, que tem como objetivo inspirar o mercado brasileiro e destacar cases de sucesso sucesso que envolvam a visão de vários elos da cadeia da reciclagem, mostrando a sua funcionalidade e visão de negócio.Para esta edição, o seminário tem como convidado o mexicano Rodrigo Bautista, consultor sênior do Forum for the Future. A programação segue com uma rodada ainda na USP, na Faculdade de Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (FEA-USP), com a oficina Design for Demand.

No Instituto de Economia Aplicada da USP, uma série de mesas terá temas como "Sustentabilidade, Complexidade e Políticas Públicas", e "Mudanças Climáticas e Cidades" na quinta, 24, e "Mobilidade Urbana" e ""Desigualdade e Violência Urbana" na sexta, 25.

Na Escola da Advocacia Geral da União, na avenida Paulista, o evento Licitações Sustentáveis vai promover painéis que discutem temas como "A identificação da função do produto/serviço e o pensamento do ciclo de vida nas contratações públicas" e "Mudanças comportamentais no serviço público pela sustentabilidade".

Orgânicos / Agroecologia
O Centro Cultural São Paulo vai receber o 4º Festival de Agricultura Urbana, com microcursos e oficinas, debates, exposição e mutirão para plantio de mudas e troca de sementes na Horta do CCSP. O local abriga ainda uma feira gastronômica com comidas naturais, quitutes veganos e com receitas de refugiados que moram em São Paulo, além da Feira da Agricultura Paulistana, somente com hortaliças produzidas pelos agricultores urbanos de São Paulo.

Durante a programação da Virada, a Livraria da Vila recebe a Feirinha Positiv.a, feira de produtos orgânicos e ecológicos cujo objetivo é mostrar ao público diversas soluções sustentáveis presentes no mercado. O evento traz produtos feitos visando gerar menor impacto no meio ambiente e na vida das pessoas, como as composteiras para colocar lixos e cisternas para captação e armazenamento de água da chuva, além de produtos de limpeza consciente, snacks saudáveis e embalagens biodegradáveis.

Outro destaque é o Circuito Agroecologia e Alimentação Sustentável, com palestra e oficina, promovido pelo Projeto SustentABC, que tem como principal objetivo sensibilizar a população quanto o consumo consciente a redução na geração de resíduos sólidos. O projeto oferece informações sobre modelos agroecológicos, impactos ambientais da agricultura tradicional, além de uma oficina de uso integral dos alimentos e exemplificação de como montar um minhocário para reciclar os restos de alimentos.

No sábado (26), a Horta FMUSP, localizada na Faculdade de Medicina da USP, na avenida Dr. Arnaldo fica aberta para uma visita guiada com oficinas sobre as chamadas Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCS) e degustação de pratos preparados com elas. Já no domingo (27), o espaço Brahma Kumaris oferece a oficina "Desperdício de alimentos, um reflexo de insustentabilidade interior", que tem como objetivo criar um espaço de reflexão que motive não apenas o uso integral dos alimentos, mas que desperte o entendimento de que toda ação de mau uso dos recursos naturais acontece antes em nosso espaço interior devido à ausência de foco em valores como cooperação, empatia e cuidado.

Parceiros
A Virada Sustentável – São Paulo 2017 é viabilizada pelo PROAC e apresentada pela Braskem. Com patrocínio da Novelis e Duratex e apoio das empresas Kimberly-Clark, PepsiCo, ThyssenKrupp e da Fundação Toyota, conta ainda com a colaboração dos parceiros: Instituto Alana, Unibes Cultural, SESC-SP, Menta Propaganda e UMAPAZ. A promoção é feita por Catraca Livre, Estadão, Editora Abril e Ótima Causa. Leve-me é o aplicativo oficial da Virada, cujo transporte oficial é feito pelo Cabify. A realização do festival é do Instituto Virada Sustentável, em parceria com a Secretaria Estadual de Cultura, e correalização da Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente.

A Virada Sustentável é o maior festival de mobilização e educação para a sustentabilidade do Brasil, e envolve cocriação, articulação e participação direta de organizações da sociedade civil, órgãos públicos, escolas e universidades, empresas, coletivos e movimentos sociais. Teve sua primeira edição realizada em 2011, em São Paulo, e desde então vem ampliando seu escopo de atuação, promovendo edições em cidades como Sinop, Manaus, Salvador, Porto Alegre e Rio de Janeiro. Em agosto de 2016, a 6ª edição da Virada Sustentável na capital paulista reuniu cerca de 1,2 milhão de pessoas em mais de 800 atividades e atrações gratuitas espalhadas por mais de 130 lugares da cidade.

7ª Virada Sustentável São Paulo
De 24 a 27 de agosto
Parque Ibirapuera + Unibes Cultural + Dezenas de locais na cidade
Gratuito

www.viradasustentavel.org.br
www.facebook.com/viradasustentavel
www.instagram.com/viradasustentávelsp
www.twitter.com/virasustentavel
www.youtube.com/ViradaSustentavel
https://www.flickr.com/photos/viresuacidade
http://www.segs.com.br/eventos/78134-virada-sustentavel-lanca-programacao-da-edicao-sp-2017.html


 
Flavia Loureiro   Núcleo dos Amigos do Brooklin
"INFORMAÇÃO" Direito e Dever de tod@s Art.5ºXIV,CRFB/Cap.40 Agenda 21

"Informação causa mudanças." Flavia Loureiro
"Aprender a fazer uso do que não se tem" Flavia Loureiro

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Currículo da rede municipal de SP em 2018 incluirá desenvolvimento sustentável.


Desenvolvimento sustentável será incluido no currículo das escolas de ensino fundamental da rede municipal de São PauloTânia Rêgo/Arquivo/Agência Brasil


As escolas de ensino fundamental da rede municipal de São Paulo incluirão o tema desenvolvimento sustentável no currículo a partir de 2018. De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), parceira da Secretaria Municipal de Educação neste projeto, a cidade é pioneira ao contemplar esta questão com o objetivo de aprendizagem. O material produzido para as aulas – como vídeos e publicações para os professores – foi apresentado hoje (15) em evento na capital paulista.

"O currículo serve para a gente pensar que tipo de sociedade queremos para frente, que tipo de cidadão a gente quer preparar, para que ele possa intervir no mundo em que vive", explicou o secretário de Educação, Alexandre Schneider. A educação faz parte dos Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS), um conjunto de 17 metas assumidas por 193 estados-membros da Organização das Nações Unidas (ONU) a serem cumpridas até 2030. "É um compromisso que o Brasil assumiu e é um bom guia para esse processo de formação".

Para Felipe Felisbino, coordenador de Educação Ambiental e Temas Transversais da Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), a inclusão é um avanço, tendo em vista que os parâmetros curriculares mais antigos apenas sugeriam a abordagem desses temas. "Os ODSs estarão nos objetivos de aprendizagem de cada área de conhecimento. São Paulo dá muitos passos adiante na concepção de um novo currículo, tratando com muita seriedade temáticas sociais e, dentre elas, a principal: sustentabilidade, que perpassa pelo direito humano, pelo consumo sustentável", disse.

Filmes produzidos pela Unesco

A série em vídeo produzida para crianças entre 7 e 11 anos contempla oito dos 17 ODS, entre eles Fome Zero e Saúde Sustentável, Saúde e Bem-estar, Educação de Qualidade e Água Potável e Saneamento. Os filmes têm duração de até dois minutos e meio e foram produzidos pela Unesco no Brasil em parceria com o Ministério do Meio Ambiente e o Ministério da Educação.

A representante interina da Unesco no Brasil, Marlova Jovchelovitch Noleto, que é também diretora da área programática da entidade, destaca que a posição de São Paulo é um exemplo para outros municípios. "Nós percebemos que só existe uma maneira de contribuir para a transformação do mundo e é sempre pela ação. As ideias comovem, mas exemplos arrastam. São eles que efetivamente transformam. Nós nos encarregaremos de ajudar a difundir esse exemplo", disse.

De acordo com Schneider, a comunidade escolar discute agora as mudanças no currículo, mas o tema desenvolvimento sustentável, como é um objetivo de aprendizagem, estará mantido na proposta. A medida envolverá cerca de 450 mil alunos do ensino fundamental.




Edição: Fábio Massalli
Camila Maciel – Repórter da Agência Brasil

terça-feira, 15 de agosto de 2017

CONFERÊNCIA ZONAL ! ZONA LESTE.




A Secretaria Especial de Relações Governamentais e as Prefeituras Regionais da Zona Leste, convida toda Sociedade para a nossa primeira Conferência Zonal .


Participem, mostre a sua e força e fortaleça o seu território.



CELSO HENRIQUES

Coordenador Geral

Secretaria Especial de Relações Governamentais- SERG

chpaula@prefeitura.sp.gov.br



Enviado por: "Celso Henriques"

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Cursos gratuitos a distância.

Imagem: Divulgação

O SENAI oferece cursos gratuitos a distância tanto para quem quer entrar no mundo do trabalho, para o desenvolvimento de capacidades, como para quem já está trabalhando, para atualização de conhecimentos.

Cada curso gratuito de educação a distância é ofertado de duas maneiras:

  • Totalmente online: dessa forma os alunos têm acesso às informações apenas pelo computador
  • Livro impresso: o aluno recebe um livro com uma ficha de perguntas para sua avaliação.



Confira a lista com os cursos de educação a distância oferecidos de graça:

EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Descrição: tem como objetivo entender as questões fundamentais sobre meio ambiente, os conceitos e definições, analisando os problemas atuais e as perspectivas futuras para essa área, que a cada dia se desenvolve e evolui mais.

Carga horária: 14 horas

EMPREENDEDORISMO
Descrição: o curso apresenta características fundamentais para se tornar um empreendedor e a conquistar maior espaço em um mundo cada dia mais competitivo. Você vai aprender conceitos de liderança, ética e postura profissional; Criatividade, pró-atividade e raciocínio lógico, comunicação, além de trabalho em equipe e negociação, reconhecendo a importância do autodesenvolvimento.

Carga horária: 14 horas


LEGISLAÇÃO TRABALHISTA
Descrição: o curso identifica os dispositivos legais que regulamentam as relações de trabalho, esclarecendo os direitos do empregado e empregador. Você aprenderá sobre a importância do trabalho como direito social e a organização social do trabalho, tipos de trabalhadores e formas de contratação, elementos de contratação de empregado.

Carga horária: 14 horas

SEGURANÇA NO TRABALHO
Descrição: Aprenda a desenvolver uma visão crítica quanto a riscos presentes no ambiente de trabalho e previna acidentes ao lidar da forma correta com questões como segurança, saúde e meio ambiente. O curso apresenta as questões relativas à Segurança, Meio Ambiente e Saúde de modo a possibilitar uma visão crítica dos riscos e perigos existentes no mundo do trabalho.

Carga horária: 14 horas

TI E COMUNICAÇÃO
Descrição: A cada dia, novos processos informatizados e sistemas de comunicação invadem as empresas. Ingresse nesse universo com os conhecimentos mais atualizados. O curso apresenta quais os processos de TIC são utilizados no cotidiano profissional e qual a sua relevância na carreira  do jovem que ingressa no mercado de trabalho.

Carga horária: 14 horas

PROPRIEDADE INTELECTUAL
Descrição: O curso ajudará você a identificar a importância da Propriedade Intelectual e dos benefícios da proteção dos produtos derivados da criatividade e da inovação. As aulas virtuais abordarão temas como: produtos falsos e verdadeiros: problemas e vantagens; patentes, segredo Industrial e violação de patentes; riscos para o computador no uso de cópias não autorizadas de programas e uso de marcas.

Carga horária: 14 horas


COMO SE INSCREVER


Para saber quais cursos são oferecidos no seu estado ou DF, vá até a página Busque seu curso, e procure o curso que mais combina com você.


Por: Flavia Loureiro


domingo, 16 de julho de 2017

Participe da Assembleia Cidadã sobre a Descentralização do Orçamento da cidade de São Paulo



Confira como participar desse processo inovador que, no dia 5 de agosto, irá escolher uma proposta a ser encaminhada à Prefeitura e Câmara Municipal

Venha participar de uma experiência inovadora de democracia direta! Vamos testar novos mecanismos de tomada de decisão, menos vulneráveis à influência do poder econômico.

No dia 5 de agosto de 2017, a primeira Assembleia Cidadã de São Paulo discutirá e votará propostas sobre a descentralização do orçamento municipal. Antes da votação das propostas, os participantes poderão interagir com comentaristas e formar grupos de discussão para que, de forma coletiva, possam produzir propostas favoráveis à qualidade de vida na cidade.

A proposta mais votada será encaminhada à Prefeitura e à Câmara Municipal, de modo a pautar o processo de descentralização no governo municipal, fortalecendo o papel dos conselhos participativos.

Todas e todos podem participar! Venha construir propostas que possam mudar diretamente a sua vida na cidade!

Por que a descentralização do orçamento público é importante?

A descentralização do orçamento municipal é importante para a cidadania e a qualidade de vida na cidade, bem como para a redução das desigualdades. Com a descentralização dos recursos públicos é possível ter clareza da quantidade de dinheiro que a Prefeitura destina para cada área (saúde, educação, assistência social, cultura, esporte, etc.) em cada uma das Prefeituras Regionais e distritos.

Desta forma, conhecendo as regiões em que os recursos estão sendo destinados, pode-se garantir mais investimento para os territórios que mais precisam. Se os gastos públicos fossem descentralizados, o orçamento municipal seria mais transparente e mais próximo dos cidadãos, fortalecendo as Prefeituras Regionais e tornando os Conselhos Participativos grandes atores na fiscalização e na condução das despesas e investimentos municipais.

O que é a Assembleia Cidadã?

A Assembleia Cidadã de São Paulo é um projeto da Rede Nossa São Paulo em colaboração com Rodrigo Ochigame, doutorando em ciência, tecnologia e sociedade do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), e James Holston, professor de antropologia e diretor do Laboratório de Aplicativos Sociais da Universidade da Califórnia (Berkeley), que desenvolvem novos mecanismos de democracia direta e participação social.

Uma explicação detalhada do funcionamento da assembleia está disponível na página de metodologia.

Inscrição de propostas e comentaristas (até 21/07)

Formulário de proposta


Formulário de comentarista

Qualquer pessoa, grupo ou organização pode apresentar uma proposta relacionada ao tema, preenchendo o formulário de proposta até o dia 21 de julho. A proposta deve ser concreta, clara e detalhada.

Qualquer pessoa pode se candidatar a comentarista do tema, preenchendo o formulário de comentarista até o dia 21 de julho. O papel dos comentaristas é apresentar avaliações positivas e negativas dos méritos das propostas. Cada candidato deve informar quem é, o por quê da candidatura e o quê pretende argumentar.

Após o período de inscrições, haverá uma eleição aberta ao público para selecionar quatro propostas e oito comentaristas. No dia da assembleia, cada comentarista terá dez minutos para apresentar argumentos. Após as apresentações, os participantes discutirão e votarão as quatro propostas, selecionando uma proposta vencedora.

Para mais informações, consulte a página de metodologia ou contate Américo Sampaio pelo email americo@isps.org.br.

Serviço:

Primeira Assembleia Cidadã de São Paulo, que discutirá e votará propostas sobre a descentralização do orçamento municipal.

Data: dia 5 de agosto de 2017

Horário: das 13h às 17h

Local: Câmara Municipal de São Paulo, Salão Nobre (8º andar)

Endereço: Viaduto Jacareí, 100, Bela Vista, São Paulo - SP

Entrada aberta e gratuita

Por: Nossa São Paulo

segunda-feira, 3 de julho de 2017

ONU abre inscrição para Programa de Jovens Profissionais 2017 - O exame deste ano será realizado em dezembro de 2017 para três áreas de conhecimento – Gestão e Administração; Política, Paz e Assuntos Humanitários; e Informação Pública e Gestão de Conferência. Os candidatos devem ter até 32 anos até o final de 2017. Prazo é dia 22 de agosto.

Foto: ONU

Foto: ONU

Todos os anos, as Nações Unidas procuram jovens altamente qualificados que queiram começar a se dedicar a uma carreira internacional na Organização. Por meio de seu concurso anual, o Programa Jovens Profissionais (YPP, na sigla em inglês) busca novos talentos para incorporar-se à ONU.

O exame será em dezembro de 2017 em três áreas – Gestão e Administração; Política, Paz e Assuntos Humanitários; e Informação Pública e Gestão de Conferência. Os candidatos devem ter até 32 anos até o final de 2017.

Se você é graduado no ensino superior, fala inglês ou francês fluentemente, é cidadão de um dos países participantes do programa (acesse aqui a lista), saiba abaixo como participar. Entre os países incluídos estão seis lusófonos: Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

O período para se candidatar ao exame segue aberto até 22 de agosto de 2017, por meio do portal de Carreiras da ONU.

Candidaturas

É importante observar que candidaturas incompletas e/ou atrasadas não serão consideradas. Portanto, é preciso preencher e enviar o seu pedido antes do prazo final.

É importante completar e atualizar todas as informações com precisão, pois estes dados servirão como uma base para avaliar a sua elegibilidade e adequação ao exame. Você receberá, por e-mail, um número de candidatura.

Orientações adicionais sobre a elaboração de candidaturas estão disponíveis por meio de um manual (clique aqui) e nas perguntas frequentes sobre o YPP (clique aqui).

Dúvidas e outras vagas na ONU

Toda e qualquer dúvida adicional deve ser enviada diretamente para o contato disponível na página do programa, clique aqui.

Além do YPP, pessoas em qualquer faixa etária podem buscar vagas na ONU a qualquer tempo, sendo que as vagas sem critérios de faixa etária representam a vasta maioria das oportunidades disponíveis na ONU. Saiba mais sobre estas vagas em nacoesunidas.org/vagas.



Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil | UNIC Rio
website: www.nacoesunidas.org | email: unic.brazil@unic.org
tel.: +55(21) 2253-2211 | fax: +55(21) 2233-5753
Objetivos Globais da ONU

A pesquisa do Instituto Pró-Livro também mostrou que o estímulo, especialmente na infância, faz muita diferença para adquirir o gosto de ler. Para um terço dos entrevistados, alguém incentivou a leitura.

Você sabia que metade da população brasileira é considerada não leitora? O Brasil está em 59º lugar no teste de leitura do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). A Câmara dos Deputados analisa duas propostas para mudar essa realidade. A leitura é o tema da reportagem especial desta semana.

Você pode ouvir a primeira parte desta reportagem no link a seguir

Leitura - os números sobre a leitura no Brasil - Bloco 1

domingo, 2 de julho de 2017

VEM AÍ A 26ª FESTA DAS NAÇÕES - 08 E 09 DE JULHO DE 2017


CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR


Dias 08 e 09 de julho de 2017, na Avenida Paranaguá – Largo 1º de Maio – Ermelino Matarazzo*

Esta festa, realizada por mais de 800 voluntários, é voltada às famílias e é considerado um evento oficial do calendário da Cidade e do Estado de São Paulo.

Conheça e aproveite um dos maiores eventos cultural e gastronômico da cidade de São Paulo.

Venha prestigiar esta festa e, assim, ser colaborador de uma grande ação de cidadania.

Traga seus familiares e amigos. Todos serão recebidos e atendidos com qualidade e simpatia.

Vale a pena conferir!

O LAR VICENTINO abre as suas portas para esclarecer quaisquer dúvidas no seu endereço: Rua Ovídio Lopes, 253 – Ermelino Matarazzo – São Paulo – SP - Fone (11)2546-5682, no site: www.larvicentino.org.br ou através do e-mail administracao@larvicentino.org.br.

PRONATEC VOLUNTÁRIO - Se não te servir, ajude a alguém.



Cursos FIC, gratuitos e à distancia, disponíveis para inscrição, no endereço http://sistec.mec.gov.br/meu-cadastro

1.      Agente Comunitário de Saúde
2.      Agente de Alimentação Escolar
3.      Agente de Combate às Endemias
4.      Agente de Gestão de Resíduos Sólidos
5.      Agente de Limpeza Urbana
6.      Agente de Microcrédito
7.      Agente de Observação de Segurança
8.      Ajudante de Obras
9.      Almoxarife
10.    Almoxarife de Obras
11.    Amostrador de Minérios
12.    Assistente Administrativo
13.    Assistente de Controle de Qualidade
14.    Assistente de Crédito e Cobrança
15.    Assistente de Faturamento
16.    Assistente de Logística
17.    Assistente de Recursos Humanos
18.    Assistente de Secretaria Escolar
19.    Assistente de Tesouraria
20.    Assistente Financeiro
21.    Auxiliar de Biotecnologia
22.    Auxiliar de Farmácia de Manipulação
23.    Auxiliar de Fiscalização Ambiental
24.    Auxiliar de Laboratório de Entomologia Médica
25.    Auxiliar de Laboratório de Saneamento
26.    Auxiliar de Laboratório de Saúde
27.    Auxiliar de Operação de Estação de Tratamento de Águas
28.    Auxiliar de Saúde Bucal
29.    Balconista de Farmácia
30.    Bombeiro Civil
31.    Cadista para a Construção Civil
32.    Comprador
33.    Cuidador de Idoso
34.    Cuidador Infantil
35.    Desenhista da Construção Civil
36.    Desenhista de Topografia
37.    Editor de Projeto Visual Gráfico
38.    Editor de Vídeo
39.    Espanhol Básico
40.    Fotógrafo
41.    Gestor de Microempresa
42.    Higienista de Serviços de Saúde
43.    Ilustrador
44.    Inglês Básico
45.    Inspetor de Qualidade
46.    Introdução à Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (Libras)
47.    Laboratorista de Materiais de Construção
48.    Laborista de Solos
49.    Lactarista
50.    Língua Brasileira de Sinais (Libras) - Básico
51.    Locutor-Apresentador-Animador
52.    Mensageiro
53.    Monitor do Uso e Conservação dos Recursos Hídricos
54.    Operador de Aterro Sanitário de Resíduos Sólidos Urbanos
55.    Operador de Caixa
56.    Operador de Câmera
57.    Operador de Computador
58.    Operador de Editoração Eletrônica
59.    Operador de Mina
60.    Operador de Produção de Fármacos e Medicamentos
61.    Operador de Produção em Unidade de Tratamento de Resíduos
62.    Operador de Tratamento de Águas e Efluentes
63.    Operador de Tratamento de Resíduos Sólidos
64.    Promotor de Vendas
65.    Recepcionista
66.    Recepcionista em Serviços de Saúde
67.    Reciclador
68.    Representante Comercial
69.    Sonoplasta
70.    Vendedor



Por: ABC Criativa

sábado, 1 de julho de 2017

Uma carta ao "Dotô Adevogado".

Imagem ilustrativa - Mazzaropi.


Caro Dotô.

Lhe iscrevo purque tive arguma vergonha de fala pessoarmente, mas arguma coisa sucede e priciso disabafá.

Dispois que falei meu causo, o sinhô disse que pricisava entrar com uma tar de ação. Pircebi que o sinhô intendia bem do que tava falando, purque sempre falô umas coisas bunita e difícil. Mas ai que tá, dotô. Fiquei tão basbacado com as palavra difíciu, que saí só sorriso do iscritório, mas quando cheguei em casa, pircibi que que saí rindo, mas num intendi nada de nada.

A muié me pregunto como que foi com o Dotô, eu disse que foi tudo bem, que o dotô é muito bão e ia resorvê nossa pendenga. Mas aquilo fico dentro de mim, num intendi e resorvi lhe pregunta.

Te liguei quele dia, lembra? Pidindo umas expricação. O sinhô falô bunito dinovo, otra veiz fiquei bobo, mas o pobrema, Dotô... É que num intendi nada traveis. O sinhô falô que pricisava fazê um tal de piticionamento, que ia despacha arguma coisa. Fiquei té preocupado, num sabia que o dotô mexia com essas coisa de despacho não.

Então dotô, assim foi toda veiz que a gente se falava, o sinhô expricava e eu num intendia nadica. Pensei em ir ai traveis, mas imaginei que ia contecê dinovo. Ai eu resorvi te manda essa carta, purque anssim o sinhô pode se prepara mió pra lidá com eu.

Discurpa a dificurdade dotô, mas vô gradece muito se o sinhô pudesse expricá mais simpres pra nóis. Sei que o sinhô sabe fala bunito por dimais, mas comigo num carece disso não... Priciso msm só sabê pra que serve essa tar de ação.



Caros colegas, vale muito a reflexão!

Muitas vezes a profissão nos leva ao vício do "juridiquês", esquecemos que o cliente não tem obrigação de entender a linguagem utilizada no universo jurídico. Por isso é tão importante sabermos falar da maneira mais clara possível.

Comunicar-se não é falar bonito, mas ser compreendido.

Eloy Banzi - Advocacia

Faça a diferença... Venha somar com a gente !!!


CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Rede UniCEU abre Inscrições para cursos de graduação gratuitos.

São 6.600 vagas disponíveis para Pedagogia, Engenharia de Produção, Engenharia de Computação e Licenciatura em Matemática em 33 polos

De Secretaria Especial de Comunicação

Estão abertas as inscrições para o vestibular dos cursos superiores gratuitos semipresenciais oferecidos pela UNIVESP – Universidade Virtual do Estado de São Paulo por meio da Rede UniCEU/UAB. A iniciativa é da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação com apoio da Secretaria Municipal de Educação (SME). 

Serão oferecidas 6.600 vagas, sendo 200 em cada um dos 33 Centros Educacionais Unificados (CEUs) participantes, nos seguintes cursos: Pedagogia, Engenharia de Produção, Engenharia de Computação e Licenciatura em Matemática. 

As inscrições podem ser feitas até 10 de julho pelo site www.vestibularunivesp.com.br. O vestibular será realizado no dia 23 de julho, das 13h às 18h, constituído por prova com 60 questões objetivas de Comunicação e Expressão em Língua Portuguesa, Matemática, Ciências Humanas e Ciências Naturais, além da  Redação. A divulgação do resultado ocorrerá em 8 de agosto. Mais informações podem ser obtidas no mesmo endereço da inscrição

Confira a relação dos polos participantes da UniCEU: 

Polo

Cursos Superiores em:

UniCEU Água Azul

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Alvarenga

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Aricanduva

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Azul da Cor do Mar

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Butantã

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Campo Limpo

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Capão Redondo

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Casa Blanca

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Cidade Dutra

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Formosa

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU EMEF Gilberto Dupas

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Heliópolis

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Jaçanã

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Jambeiro

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Jardim Paulistano

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Meninos

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Navegantes

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Paraisópolis

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Parelheiros

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Parque Bristol

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Parque São Carlos

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Parque Veredas

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Pêra Marmelo

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Perus

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Quinta do Sol

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Rosa da China

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU São Mateus

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU São Rafael

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Tiquatira

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Três Lagos

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Vila Atlântica

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Vila Curuçá

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Vila do Sol

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

Acesse o cartaz de divulgação, que contém endereços e polos e cursos oferecidos, clicando aqui. 

http://www.capital.sp.gov.br/noticia/rede-uniceu-abre-inscricoes-para-cursos-de-graduacao-gratuitos

--
Flavia Loureiro   Núcleo dos Amigos do Brooklin
"INFORMAÇÃO" Direito e Dever de tod@s Art.5ºXIV,CRFB/Cap.40 Agenda 21

"Informação causa mudanças."
"Aprender a fazer uso do que não se tem"