Conheça todo o nosso trabalho social.

... Site ... Facebook ... Twitter ... Youtube ...

Nosso WhatsApp: 11 9 7291-4436

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Rede UniCEU abre Inscrições para cursos de graduação gratuitos.

São 6.600 vagas disponíveis para Pedagogia, Engenharia de Produção, Engenharia de Computação e Licenciatura em Matemática em 33 polos

De Secretaria Especial de Comunicação

Estão abertas as inscrições para o vestibular dos cursos superiores gratuitos semipresenciais oferecidos pela UNIVESP – Universidade Virtual do Estado de São Paulo por meio da Rede UniCEU/UAB. A iniciativa é da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação com apoio da Secretaria Municipal de Educação (SME). 

Serão oferecidas 6.600 vagas, sendo 200 em cada um dos 33 Centros Educacionais Unificados (CEUs) participantes, nos seguintes cursos: Pedagogia, Engenharia de Produção, Engenharia de Computação e Licenciatura em Matemática. 

As inscrições podem ser feitas até 10 de julho pelo site www.vestibularunivesp.com.br. O vestibular será realizado no dia 23 de julho, das 13h às 18h, constituído por prova com 60 questões objetivas de Comunicação e Expressão em Língua Portuguesa, Matemática, Ciências Humanas e Ciências Naturais, além da  Redação. A divulgação do resultado ocorrerá em 8 de agosto. Mais informações podem ser obtidas no mesmo endereço da inscrição

Confira a relação dos polos participantes da UniCEU: 

Polo

Cursos Superiores em:

UniCEU Água Azul

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Alvarenga

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Aricanduva

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Azul da Cor do Mar

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Butantã

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Campo Limpo

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Capão Redondo

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Casa Blanca

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Cidade Dutra

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Formosa

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU EMEF Gilberto Dupas

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Heliópolis

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Jaçanã

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Jambeiro

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Jardim Paulistano

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Meninos

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Navegantes

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Paraisópolis

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Parelheiros

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Parque Bristol

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Parque São Carlos

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Parque Veredas

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Pêra Marmelo

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Perus

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Quinta do Sol

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Rosa da China

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU São Mateus

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU São Rafael

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Tiquatira

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Três Lagos

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Vila Atlântica

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Vila Curuçá

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

UniCEU Vila do Sol

Pedagogia; Matemática; Engenharia de Produção; Engenharia da Computação. 

Acesse o cartaz de divulgação, que contém endereços e polos e cursos oferecidos, clicando aqui. 

http://www.capital.sp.gov.br/noticia/rede-uniceu-abre-inscricoes-para-cursos-de-graduacao-gratuitos

--
Flavia Loureiro   Núcleo dos Amigos do Brooklin
"INFORMAÇÃO" Direito e Dever de tod@s Art.5ºXIV,CRFB/Cap.40 Agenda 21

"Informação causa mudanças."
"Aprender a fazer uso do que não se tem"

"FESTIVAL ECOLÓGICO - ÁGUABrasil", pela recuperação da Nascente da Chácara Inglesa.



A Conselheira do CADES-PJ, Mônica Carabolante, da Arte-Nuclear, convida:

"FESTIVAL ECOLÓGICO - ÁGUABrasil", pela recuperação da Nascente da Chácara Inglesa.

Todos os sábados de julho.

Nascente monitorada pela SOS-Mata Atlântica (SABESP).

Apoio: ACSP-DN, Prefeitura Regional de Pirituba/Jaragua, Sabesp,

Detalhes: https://www.facebook.com/centroculturalchacarainglesa/

Promoção: CCChá - Centro Cultural Chácara Inglesa.


terça-feira, 27 de junho de 2017

Mulheres se unem para quebrar tabus na área de programação

 

Kauany Fernandes, 13, estuda programação desde fevereiro no Code Club, uma rede de programadores voluntários criada por duas inglesas para ensinar meninas e meninos a programarem.

A garota, que cursa o 9º ano em uma escola pública no Jardim Monte Azul, zona sul da cidade, sonha em se formar em engenharia civil ou química, gosta de jogar vídeo game e saber como eles funcionam. "Eu tinha certo interesse em aprender a fazer. Quando entrei no curso estranhei um pouco, mas as coisas foram se tornando mais fáceis", conta Kauany, que sempre recebeu o apoio da família.

O universo onde Kauany adentrou há poucos meses é predominantemente masculino. Segundo dados do ano 2016 da comunidade de programadores Stack Overflow, 92,8% das pessoas que responderam a pesquisa são homens, 5,8% são mulheres e o restante preferiu não divulgar ou escolheu a alternativa "outros". O Stack Overflow contou com a participação de mais de 55 mil pessoas envolvidas em alguma área tecnológica em 173 países, inclusive o Brasil.

A mesma pesquisa ainda indica que o grupo de profissionais que tem mais de 5 anos de experiência é dominado pelo público masculino, 55%. Em contrapartida, entre os que possuem menos de 5 anos, 63,4% são mulheres. Neste quesito não foram considerados os estudantes.




KAUANY TEM 13 ANOS E COMEÇOU A ESTUDAR PROGRAMAÇÃO NA ONG CODE CLUB BRASIL – FOTO: PRISCILA PACHECO


Outra pesquisa que aponta desigualdade de gênero no mercado de trabalho, de uma forma mais geral, é o IRBEM 2017, elaborada pela Rede Nossa São Paulo e pelo IBOPE Inteligência.

Nela, os moradores de São Paulo deram nota 3 para o quesito igualdade no acesso à oportunidade de trabalho e emprego. Na comparação entre as regiões, divididas de acordo com o IBOPE, a sul 2, onde Kauany mora, recebeu uma avaliação média de 2,8. Junto com a região oeste, essa é a nota mais baixa.

A engenheira de software Luciana Bezerra, 46, faz parte da minoria feminina com muitos anos de carreira na área de programação. Desde que se formou em engenharia elétrica pela USP (Universidade de São Paulo), em 1996, trabalha em grandes empresas de TI (Tecnologia da Informação), inclusive com projetos internacionais.

Voluntária no Code Club, a engenheira que dá aulas para Kauany Fernandes, afirma que não teve problemas com preconceito na faculdade ou onde trabalha por ser mulher. "Eventualmente um ou outro colega poderia ter [preconceito], mas de modo geral fui muito bem acolhida. O curso era difícil para mim como era para qualquer pessoa, não por eu ser mulher", explica.

Egressa de um curso com poucas garotas na turma, Luciana acredita que o primeiro obstáculo para mais mulheres se interessarem por tecnologia está dentro de casa, quando dizem "isso é coisa de menina, isso é coisa de menino", quando bloqueiam a curiosidade da garota em mexer em algo como uma caixa de ferramentas ou jogar videogame.

"Quando dentro de casa ela tem a liberdade de brincar com boneca, mas também com uma ferramenta, com computador, de ser mais curiosa em relação à tecnologia, ela tem a chance de ver se tem vocação para aquilo ou não. E, se ela tiver, começar a estudar", diz Luciana. "Se encontrarem dificuldades, não é porque são mulheres, mas porque é difícil para todo mundo", finaliza.

Atualmente há grupos independentes que atuam para aproximar o público feminino de atividades tecnológicas, por exemplo, Minas Programam, PrograMaria, Reprograma, Marialab e Infopreta.  Há cursos de programação e de outras ramificações de TI, além de formação de redes de diálogos sobre o espaço da mulher. O Marialab é um caso que nasceu para ser um lugar de discussão de tecnologia para mulheres.

"Discutimos mercado de trabalho, inclusão de mães e equidade de gênero. A gente também foca em projetos que dialogam com outras áreas de tecnologia, como administração de sistema", explica a analista de sistemas Fernanda Monteiro, 31.


Quem está em busca de cursos de programação é a consultora de marketing Viviane Resende, 33. No trabalho ela oferece produção de sites, gestão de redes sociais e consultoria. "Dependo de programador para fazer os sites. Seria bom eu aprender para entender o que ele está fazendo", diz.

Viviane tenta estudar assistindo a tutoriais na internet, mas os considera rasos. Deseja fazer cursos presenciais, mas teme estudar somente com homens e gostaria de encontrar um espaço com foco em mulheres.

Fernanda Monteiro pensa que é necessário acolher as pessoas na tecnologia. Formada em 2007, a analista conta que na sua turma, dos que concluíram, mais de 30 eram homens e apenas três eram mulheres.

Ela, que é transexual, já se reconhecia como mulher na época, mas ainda não havia passado pelo processo de transição e era vista como homem. Logo, se encaixou nas dezenas de formandos.

Durante a graduação viu uma colega ter a sexualidade questionada por ter bom desempenho nas matérias, enquanto outra que apresentava mais dificuldades era dita como "menininha boba".

Fernanda também chama a atenção para a falta de representatividade das mulheres negras e trans. Além de o fato de que em empresas menores as políticas de diversidades são mais fracas ou inexistentes.

Por fim, relembra que o ENIAC (Computador e Integrador Numérico Eletrônico), o primeiro computador digital totalmente eletrônico, foi programado por seis mulheres durante a Segunda Guerra Mundial, e que Margaret  Hamilton foi a mulher que, além de programar a engenharia do foguete, também projetou todo o pouso da Apollo 11. Para Fernanda, se muitas mulheres brancas passam despercebidas pela história da computação, negras e trans são mais ignoradas ainda.

Foto Wocintech Stock Flickr CCBY

por Priscila Pacheco
 32xSP

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Conheça um pouco mais as Subprefeituras da Cidade de São Paulo.


Poucas pessoas sabem, mas São Paulo possui 32 pequenos "municípios" distribuídos pela cidade. Desde 2002, com a aprovação da lei 13.399, a maioria dos equipamentos públicos, como clubes da comunidade (antigos CDMs) e clubes da cidade foram transferidos para as Prefeitura Regionais.

Essas subprefeituras têm o papel de receber pedidos e reclamações da população, solucionar os problemas apontados; preocupam-se com a educação, saúde e cultura de cada região, tentando sempre promover atividades para a população.

Além disso, elas cuidam da manutenção do sistema viário, da rede de drenagem, limpeza urbana, vigilância sanitária e epidemiológica, entre outros papéis que transformam, a cada dia, essas regiões da cidade em locais mais humanizados e cheios de vida.

Além dos problemas cotidianos, esses pequenos "municípios" guardam segredos e curiosidades pouco conhecidas pela população.

Você sabia que o cemitério de Aricanduva é o maior da América Latina, com uma área de 780 mil m²?

E que a Vila Carrão possui uma colônia japonesa que se formou durante as décadas de 1960 e 1970?


Os links abaixo mostram um pouco mais sobre cada subprefeitura e suas histórias.


Conheça cada uma delas:


Aricanduva/Vila Formosa M'Boi Mirim
Butantã Mooca
Campo Limpo Parelheiros
Capela do Socorro Penha
Casa Verde Perus
Cidade Ademar Pinheiros
Cidade Tiradentes Pirituba/Jaraguá
Ermelino Matarazzo Santana/Tucuruvi
Freguesia do Ó/Brasilândia Santo Amaro
Guaianases São Mateus
Ipiranga São Miguel Paulista
Itaim Paulista Sapopemba
Itaquera
Jabaquara Vila Maria/Vila Guilherme
Jaçanã/Tremembé Vila Mariana
Lapa Vila Prudente

terça-feira, 13 de junho de 2017

Prefeitura de São Paulo cria Comissão Municipal para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Órgão será consultivo e terá entre as suas atribuições "elaborar plano de ação para implementação da Agenda 2030"

Por Airton Goes, da Rede Nossa São Paulo

O Decreto 57.718, que cria a Comissão Municipal para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, foi divulgado nesta terça-feira (6/6) pela Prefeitura de São Paulo.

Segundo o texto, o órgão terá caráter consultivo e será composto por 25 representantes da administração municipal, sendo um titular e um suplente de cada secretaria, e outros 25 da sociedade civil (também titulares e suplentes). Os conselheiros não receberão remuneração pela atividade.  

O documento informa ainda que os representantes da sociedade civil serão escolhidos em um processo de seleção pública coordenado pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente.

Entre as atribuições da comissão estão: elaborar o plano de ação para implementação da Agenda 2030; acompanhar e monitorar o desenvolvimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e elaborar relatórios periódicos; identificar, sistematizar e divulgar boas práticas e iniciativas que colaborem para o alcance dos ODS.

Embora não informe quando serão escolhidos os representantes da sociedade civil, o decreto determina que a Comissão Municipal para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável terá prazo de 90 dias para elaborar seu regimento interno, a ser aprovado pelos seus componentes.


Enviado por NossaSP


Confira aqui a íntegra do Decreto 57.718.

Brasil vai na contramão dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável


Relatório das Organizações da Sociedade Civil revela preocupação sobre a situação do país


As Organizações da Sociedade Civil apresentaram esta semana em Brasília um relatório sobre a implementação das metas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) que serão monitoradas este ano pela Organização das Nações Unidas (ONU), num documento intitulado "Relatório Luz da Sociedade Civil sobre os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável". O relatório é uma prévia da prestação de contas que será entregue à ONU no mês de julho e foi apresentado em primeira mão em dois seminários na capital federal nos dias 6, 7 e 8 de junho.

O primeiro seminário, "Avanços e Perspectivas da Agenda 2030 e as Prioridades Futuras da União Europeia no Brasil", ocorreu nos dias 6 e 7 de junho (terça e quarta), no Hotel Grand Mercure Eixo Monumental, em Brasília, apenas para pessoas convidadas. O evento foi realizado pela Gestos – Soropositividade, Comunicação e Gênero, pela União Europeia, pela Friedrich Ebert Stiftung Foundation (FES) e pelo Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030 (GTSC A2030).

O segundo evento acontece nesta quinta-feira (8/6), na Câmara dos Deputados, e é aberto ao público. Neste caso, a organização é da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados, com o apoio do GTSC A2030, da União Europeia e da FES.

A avaliação das entidades que compõem o grupo de trabalho pela implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) é de que o Brasil enfrenta uma situação preocupante em relação aos 17 objetivos e 169 metas a serem alcançadas por 193 países signatários do Fórum Político de Alto Nível da ONU até o ano de 2030. Especialmente em tempos de tensões sociais, políticas e econômicas, o Brasil não deve cumprir os objetivos traçados. O relatório elenca os desafios encontrados e apresenta propostas sobre como resolvê-los.

Segundo a integrante do GTSC A2030, Alessandra Nilo, da ONG Gestos (uma das organizadoras do relatório), os dados não são favoráveis ao país. "Em um contexto de múltiplas crises, ao analisarmos o Brasil sob a perspectiva da Agenda 2030, fica evidente a distância que dela nos separa, com o fortalecimento de forças retrógradas que atuam na contramão do desenvolvimento sustentável, e com a canalização das atenções e esforços da classe política para minimizar os escândalos de corrupção que corroem o sistema político-partidário nacional", avalia.

A coleta e a análise do conjunto de informações foi feita por peritos do GTSC A2030 em diferentes áreas. Embasado em coleta de dados e evidências, o documento pode ser mais um episódio de exposição negativa para o país diante da comunidade internacional. Em maio, o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas pediu ao Brasil que adotasse medidas mais eficazes no combate às violações de direitos humanos. Em resposta, o governo brasileiro emitiu uma nota de repúdio, pelo Ministério das Relações Exteriores, na qual classificou o comunicado do ACNUDH e da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) de teor desinformado, tendencioso e de "má-fé".
 




O relatório apresentado esta semana aponta legislações e normas explicitamente na no sentido contrário dos ODS, com impactos nos sistemas de saúde, educação e seguridade social. Além disso, trata do cenário de desemprego, trabalho indigno, retrocessos nos campos da segurança alimentar, justiça social e ambiental, e desmantelamento de conquistas básicas nos campos dos direitos humanos, inclusive dos direitos sexuais e reprodutivos.

Para Fabio Almeida Pinto, do Instituto Democracia e Sustentabilidade, co-autor do relatório, dificilmente a promessa feita na ONU de não deixar ninguém para trás nesta agenda de desenvolvimento se cumprirá no Brasil. "Em meio a tantas crises, as populações em maior situação de vulnerabilidade e o meio ambiente são, naturalmente, as maiores prejudicadas, como comprovam, por exemplo, os ataques às mulheres, aos jovens, às populações LGBT, negra, quilombolas e indígenas (de todas as idades), à legislação do licenciamento ambiental e às unidades de conservação que ocorrem hoje no país".

O seminário contou com a participação de autoridades nacionais, da União Europeia, das Nações Unidas e de representantes do movimento social brasileiro. Além de avaliar o cumprimento dos ODS pelo Brasil, o evento discutiu estratégias para disseminar e alinhar a Agenda 2030 às políticas estaduais e municipais.

Já na atividade desta quinta-feira (8/6), o GTSC A2030 apresenta o "Relatório Luz da Sociedade Civil" durante o seminário da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados. Com o tema "Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável: Avanços e Desafios na Implementação da Agenda 2030 no Brasil", o encontro é realizado com a presença de representantes da Frente Parlamentar Mista sobre os ODS. O debate é focado nos principais entraves para implementação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) no país.

Com informações e imagens do Portal Gestos.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Edital oferece R$ 10 mil a iniciativas que fortalecem cultura popular


Foto: Passarinho/Prefeitura de Olinda

Edital vai premiar 500 projetos ligados ao Cordel, Quadrilha, Maracatu, Jongo, Cortejo de Afoxé, Bumba Meu Boi, Boi de Mamão, entre outros

Premiação visa valorizar e manter vivas manifestações culturais, saberes populares e seus mestres

A Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura lançou, nessa segunda-feira (5), o Edital Culturas Populares Leandro Gomes de Barros. Com o lançamento, a secretaria vai selecionar e premiar  500 inciativas que fortaleçam as expressões culturais populares brasileiras com R$ 10 mil cada.

Serão 200 premiações destinadas a pessoas físicas, 200 a coletivos culturais sem constituição jurídica, 80 voltadas para pessoas jurídicas sem fins lucrativos e com natureza ou finalidade cultural e em homenagem aos mestres já falecidos (in memorian). Além disso, 20 prêmios serão destinados aos herdeiros dessas pessoas que dedicaram seus trabalhos a expressões culturais e a fazeres populares.

Segundo a secretária da Cidadania e da Diversidade Cultural, Débora Albuquerque, a premiação visa valorizar e manter vivas as manifestações culturais populares, os saberes populares e os seus mestres.

Edital

O edital vai contemplar iniciativas ligadas ao Cordel, Quadrilha, Maracatu, Jongo, Cortejo de Afoxé, Bumba Meu Boi, Boi de Mamão, entre outras.

As inscrições já estão abertas e seguem até 28 de julho. Para participar, basta fazer a inscrição pela internet ou por via postal.



Entre os critérios avaliados estão: contribuição sociocultural que o projeto proporcionou às comunidades, melhoria da qualidade de vida das comunidades a partir de suas práticas culturais, impacto social e contribuição da atuação para a preservação da memória e para a manutenção das atividades dos grupos, entre outros.

Homenagem

O edital leva o nome de Leandro Gomes de Barros para homenagear o cordelista paraibano nascido em 1865, no município de Pombal (PB). Considerado o rei dos poetas populares do seu tempo, também foi chamado de "príncipe dos poetas", em 1976, por Carlos Drummond de Andrade. Gomes morreu em 1918, em Recife.

Em edições anteriores, foram homenageados o cineasta e ator Amácio Mazzaropi (2012) e a artesã, ceramista e bonequeira do Vale do Jequitinhonha mestra Izabel Mendes da Cunha (2009). Além disso, o edital fez tributo ao mestre maranhense Humberto Barbosa Mendes, por sua contribuição para a promoção de expressões culturais típicas de sua região, como o Bumba Meu Boi (2008), e o músico Mestre Duda, por seu papel de destaque na construção da história do frevo (2007).

Fonte: Portal Brasil, com informações da Agência Brasil e Ministério da Cultura

domingo, 4 de junho de 2017

“Floresta em Pé” - edital


A Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e o Fundo Amazônia/BNDES lançaram o edital "Floresta em Pé", para apoiar projetos de desenvolvimento sustentável a serem implementados preferencialmente em áreas de entorno e mosaicos de áreas protegidas, e corredores ecológicos do Amazonas.


O valor máximo do apoio será de 150 mil reais por projeto selecionado.


Segundo informações do site, poderão participar da chamada as organizações de direito privado, sem fins lucrativos, formais e regulares, como associações comunitárias, organizações da sociedade civil, cooperativas e outras, e que tenham pelo menos dois anos de fundação.


As propostas devem ter duração máxima de 18 meses e podem ser encaminhadas até o dia 05 de junho.


Mais informações estão disponíveis em
http://fas-amazonas.org/edital/

Estão abertas as inscrições para envio de propostas para o edital PEGASuS




 – Biodiversidade e Ativos Naturais, uma iniciativa da Terra Futura, plataforma internacional de pesquisa na área ambiental.


As propostas enviadas pelas organizações poderão concorrer a um dos quatro a oito financiamentos que serão realizados, com um total disponível de 600 mil dólares, (mais de 1 milhão e 800 mil reais).


As áreas temáticas desse edital são:
a) valoração ambiental, funcionamento e serviços de ecosistemas, dentre outros;
b) indicadores de biodiversidade, planejamento de cenário, análise de risco e muito mais.
A preferência será dada a propostas de pesquisa que mostrem potencial significativo de fazer avançar a ciência e a capacidade de prever e responder de forma eficaz para a escala, ritmo e impacto das mudanças globais.


Propostas podem ser enviadas, em inglês, até o dia 05 de junho – não há indicação de fuso horário, por isso sugerimos enviar até o dia 04.


Todas as informações estão disponíveis em
http://www.futureearth.org/news/request-proposals-pegasus-biodiversity-and-natural-assets

sábado, 3 de junho de 2017

Comissão aprova proposta que altera regras para benefício do Bolsa Família


A Comissão de Educação da Câmara aprovou proposta que estabelece nova condição para o recebimento do Bolsa Família: que os pais ou responsáveis pelo estudante compareçam, no mínimo, a uma reunião por semestre de pais e professores (PL 3994/2015).

O colegiado concordou com o parecer da relatora, deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), que apresentou emenda ao projeto original, da deputada Geovania de Sá (PSDB-SC). A autora condicionava o recebimento do auxílio ao comparecimento às reuniões e a emenda da relatora fixou em pelo menos um encontro de pais e mestres por semestre.

Professora Dorinha Seabra Rezende explicou a importância de exigir a presença dos pais e responsáveis na escola para ter direito ao Bolsa Família.

"Ao fazer isso, reconhece que, quando o pai vai à escola, ele mostra pro seu filho a importância da permanência na escola, ele acompanha seu filho, se apresenta para equipe pedagógica da escola como um parceiro no processo de aprendizagem."

A deputada Geovania de Sá concordou também com as mudanças feitas pela Comissão de Educação.

"É uma responsabilidade dos pais com a qualidade do que os filhos estão aprendendo. Acho que isso já começa a fazer uma mudança cultural na vida dessas famílias que dependem desse programa."

A proposta que amplia as condicionantes para recebimento do Bolsa Família ainda será analisada por mais três comissões da Câmara. Se aprovada, poderá seguir diretamente ao Senado, sem passar pelo Plenário.


Atualmente, o recebimento do Bolsa Família é vinculado ao cumprimento das seguintes condições pela família beneficiária: exame pré-natal; acompanhamento nutricional e de saúde; frequência escolar de 85%, para crianças até quinze anos, e de 75%, para adolescentes entre 16 e 17 anos.

Reportagem - Luiz Gustavo Xavier